Skip to content

“É sempre a mesma coisa!”

Dezembro 4, 2009
tags:

Quantas vezes ouvimos esta expressão: quando o assunto é catequese, missa, rezar….

Um discípulo chegou diante do mestre e perguntou: -“Mestre, porque devemos ler e decorar a Palavra de Deus se nós não conseguimos memorizar  tudo e com o tempo acabamos por esquecer?” O mestre não respondeu imediatamente ao seu discípulo. Ficou a olhar para o horizonte por alguns minutos e depois disse ao discípulo: -“Pega naquele cesto de junco, desce até ao riacho, enche os cestos de água e trá-lo até aqui”. O discípulo olhou para para o cesto sujo e achou muito estranha a ordem do mestre, mas mesmo assim obedeceu. Pegou no cesto e desceu 100 degraus até ao riacho. Encheu o cesto e voltou. Como o cesto estava cheio de furos, a água foi escorrendo e quando chegou junto do mestre, já não restava nada. O mestre perguntou: -“Que aprendeste?” O discípulo  olhou para o cesto e disse, rindo da situação: -“Aprendi que um cesto furado não segura a água”. O mestre ordenou que voltasse segunda vez. E tudo aconteceu como da primeira, ao que o aluno deu a mesma resposta. O mestre envia-o novamente. E isto aconteceu 10 vezes. Há décima vez, o discípulo completamente exausto, há pergunta do mestre, olhou para  dentro do cesto , percebeu admirado: -“O cesto está limpo! Apesar de não segurar a água, a repetição constante de encher o cesto acabou por lavá-lo e daixá-lo limpo”. Por fim, o mestre concluiu: -“Não importa que tu não aconsigas decorar todas as passagens da bíblia que lês. O que importa, na verdade, é que no processo, a tua mente e a tua vida ficam limpos diante de Deus”.

4 comentários leave one →
  1. miná ( Famalicão) permalink
    Dezembro 5, 2009 00:04

    Bela lição!
    Será que conseguimos lavar a nossa mente, o nosso espírito,o nosso coração!?
    Com muita persistência e vontade, acredito que sim.

  2. Dezembro 5, 2009 01:41

    Daqui tiro uma lição pedagógica, além da referida no post: nós catequistas, párocos, etc, em vez de grandes lições de moral, aprendamos a contar histórias. Elas falarão por si, serão muito mais eloquentes, mais significativas, mais intensas, e melhor interiorizadas.

  3. catequistas permalink
    Dezembro 12, 2009 15:34

    Achei tão importante esta mensagem que tomei a liberdade de a levar comigo para a partilhar com quem visita o blog catequistas.
    Tantas vezes sinto o mesmo que esse discípulo…
    Obrigada.

  4. Marisa permalink
    Dezembro 13, 2009 17:52

    quando fazia catequese ao 2º ano e coloquei um distico no placar com a a frase “dizer sempre a verdade”
    Perguntei o que queria dizer todos sabiam que era não mentir, mas quando pedi exemplos
    uma menina disse que viu na TV uma história de uma menina pastora que enganava os lavradores gritando ai vem lobo e contou uma linda história, parecida com a que indica o guia,

    mas o fantástico é que os 19 coleguinhas ouviram-na com toda a atenção e no final todos concluiram que nem a brincar se deve mentir e porquê

    A partir desse encontro procuro sempe ir ao encontro dos seus conhecimentos, dos seus interesses, deixando-os partilhar e há sempre uma história, as vezes até um pouco indescreta da vivencia familiar

    Quando falamos de Maria e sua prima Isabel um menino contou-nos que tinha um tio que estava muito doente e como ele gostava muito dele, ia todos os dias depois da escola fazer-lhe companhia e o tio ria das suas bricadeiras…
    Agora o tio morreu e ele tinha saudades, mas lembrava-se de como ele era amigo e se ria…

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: