Skip to content

Ser padre

Maio 21, 2013
tags: ,
Um post do meu amigo P. Rui Santiago, redentorista, com o qual me identifico plenamente.
Por ser padre, sou imediatamente associado à Igreja do Vaticano e do Papa e não ao Evangelho de Jesus. Na cabeça das pessoas, ser padre é ser “da Igreja”, não ser “de Jesus”. É ser um “homem da Igreja”, não um “homem de Deus”. Eu sei que a primeira é uma pertença institucional, visível, e a segunda não, mas…
Fui Ordenado para o anúncio do Evangelho, sinal de que aceito pôr a minha vida em Ordem a isso. E este anúncio do Evangelho não o imagino senão como Igreja! Mas uma Igreja em permanente descoberta de si mesma, feita de Comunidades que nunca chegam a ser perfeitas mas também nunca se dão por acabadas.
Acredito que o Evangelho gera Igreja, ou seja, a Boa Notícia gera Comunhão entre Pessoas! Mas não sou funcionário de nenhuma instituição nem defensor de nenhum modelo de ser Igreja. Permaneça a Igreja, isto é, a Comunhão de pessoas reunidas pela experiência da Boa Notícia, e mudem os Modelos, continuamente, que essa é a única maneira de irmos sendo fiéis ao tal Reino de Deus que pelos vistos está no meio de nós há 2000 anos e às vezes as Igrejas esquecem de testemunhar de tão preocupadas que andam em defender os seus próprios princípios e perseguir os seus próprios fins.

Deus é Bom, é muito Bom! E acredito na beleza da Missão da Igreja no mundo, acredito mesmo, porque a energia do Evangelho gera dinamismos de Comunhão e Encontro que ajudam pessoas concretas a serem mais felizes e a possibilitarem essas descobertas a outros também.

Acredito que a Ruah, Espírito Santo de tantos nomes, conduz mesmo a Igreja, é a própria fonte do dinamismo da Comunhão e do Encontro provocados pelo Evangelho. E se alguns modelos de ser Igreja estão em crise, é porque a Ruah “não está p’raí virada”, e anda a fazer das Suas por outro lado…

Acredito que a Igreja de Jesus tem uma missão importante na história do meu mundo.

A missão de continuar o messianismo profético e libertador do Mestre de Nazaré, fazendo-se serva do Espírito e instrumento autêntico da Palavra de Deus que coincide com a plena realização do Ser Humano em Alegria, Liberdade e Felicidade.

 A missão de dar uma Consciência Teologal à história humana, isto é, à luz da Fé, propor sempre critérios humanizantes que orientem as nossas conquistas e descobertas na direcção da Esperança e do Amor.

 A missão de criar Comunidades de Irmãos em torno do Evangelho de Jesus de modo a fazer acontecer no mundo Frentes de Fraternidade que enfrentem as Frentes de Iniquidade sob as quais muitas pessoas se vêem despidas da sua dignidade e direitos fundamentais.

 A missão de testemunhar a Ressurreição de Jesus como Vitória do Bem sobre o Mal e da Verdade sobre a Injustiça e, deste modo, comprometer-se radicalmente com a construção deste Bem e desta Verdade.

 A missão de anunciar o Reino de Deus como projecto em marcha de uma Humanidade Nova, reconciliada e renovada no seu íntimo, assumindo por isso com ousadia a denúncia de todos os Anti-Reinos que estruturam o mal e a opressão de tantos homens e mulheres a quem amamos como irmãos.

 A missão de pôr em causa todas as lógicas opressoras e desumanizantes das sociedades e das culturas, e não apenas curar as feridas e compôr o estômago dos magoados e famintos que elas causam.

 A missão de apontar um Sentido para a Vida que ultrapasse todas as fronteiras, sobretudo as fronteiras do egoísmo, dos preconceitos e, por fim, a fronteira da morte.

 A missão de propôr a experiência da Fé como acontecimento libertador do Coração humano que se deixa encontrar pela acção do Espírito de Deus em nós e nos conduz a maravilhas que jamais imaginaríamos, nos faz derrotar montanhas que antes não enfrentaríamos e nos faz arriscar caminhos que antes temíamos.

 A missão de despertar permanentemente a Humanidade para a urgência de Construir a Vida com a Sabedoria e a Esperança que Jesus revelou ousadamente nas Bem Aventuranças.

 A missão de celebrar a Vida nos seus diferentes ritmos e acontecimentos como momentos privilegiados para experimentarmos a Ternura de Deus e o Sentido que a Sua Palavra confere à nossa história.

 A missão de se sentar assiduamente aos pés do Mestre para beber dos seus lábios os segredos da Fidelidade que torna possivel realizar tudo isto…

(In http://derrotarmontanhas.blogspot.pt/2009/03/blog-post_31.html)

One Comment leave one →
  1. Teixeira permalink
    Setembro 21, 2016 21:46

    Estou devorando o seu blog…. muito bom…

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: