Skip to content

Carta para o meu catequista

Junho 1, 2008

“Eu tenho 12 anos, mas já sou capaz de pensar e exprimir. O recado que eu deixo, aqui, é directo para você, meu catequista. Não o conheço bem, mas sinto, pelo seu jeito, que posso em ti confiar. Por isso o meu recado está recheado de boas intenções, mas, como é próprio de qualquer jovem adolescente da minha idade, também tem um pouco de ameaça. Sou um adolescente imprevisível. Alguns chamam-me até de “aborrescente”. Sei que você vai entender, leia com atenção este meu pedido. Não estou bem, ando meio confuso. Dizem que é normal acontecer isso na minha idade. Todos parecem saber tudo o que acontece na cabeça de alguém que tem 11, 12, 13 anos. Mas, ao mesmo tempo em que dão palpites e conselhos, também parecem não saber quase nada. Ninguém me ajuda e poucos me apoiam. Por isso, sei que posso confiar em si, meu catequista. Este recado que lhe deixo pode servir para muito outros jovens da minha idade e para muitos catequistas da sua idade. É um alerta que eu faço. Embora eu tenha pouca idade, leio bastante, domino a internet e quando quero, escrevo bastante.
Será que você pode me ajudar?

Talvez não acredite muito em mim por causa do que falam a respeito dos que têm a minha idade. Mas quero ser directo, sem rodeios, para início de conversa. Pesquisando num site sobre a juventude de hoje, encontrei esta frase de São João Calábria que me serviu de inspiração para lhe enviar esta carta: “eu sou de quem me conquistar”. A frase é forte, não é? Então, continue a ler o que escrevo abaixo.

Se não me der atenção, um pouco de carinho ou até mesmo um sorriso quando eu chego, posso ser conquistado pela desobediência e de si não gostar.

Eu sou de quem me conquistar. Se não me ensina a importância da oração e não reza comigo, como saberei rezar? Se me diz que Deus é vingativo, assustador e perverso, como poderei gostar dele?
Eu sou de quem me conquistar.

Se não me ensina o respeito, se não me dá atenção e comigo não dialoga, se não se interessas pela minha vida, posso ser conquistado a qualquer momento pelo desamor, pela inconstância e pelo mundo. É desses sentimentos que vou me aproximar.
Eu sou de quem me conquistar.

Se não tiver paciência com a minha inconstância, não andarei pelo caminho que você  me quer indicar. Teimosamente, seguirei um caminho oposto, pois é da minha índole ser assim. Sou jovem, muito jovem, adoro contrariar.
Eu sou de quem me conquistar.

Se se apresentas como meu catequista e não coloca em seus actos a alegria e se não sinto em você vontade, ânimo e crença naquilo que faz, não direi sim ao seu convite e como poderei, em si confiar?
Eu sou de quem me conquistar.

Se se nega a apresentar-me um Deus atraente, alegre, justo, ético, continuarei tentado a aceitar outros convites. Se não insiste comigo, as drogas, as bebidas, o cigarro, a violência, o sexo fácil, a indiferença e o consumismo irão insistir. Se não me conquista, serei, por certo, mais um a aumentar as estatísticas dos que se dizem “sem religião” .

Se reclama de mim e se recusa a enfrentar os desafios que se apresentam para esta conquista, agirei de forma a o afrontar. E se não for forte, resistente e confiante na sua missão, também tu desanimarás.

E sou de quem me conquistar. Conquiste-me. Pare de reclamar. Aprofunde seus conhecimentos, busque ajuda ao ajoelhar. Eu rezo pouco, mas vivo ouvindo de muitos adultos, assim como você meu catequista, o quanto é importante rezar. Mas pelo menos tente, queira conquistar-me. Você lida com pessoas, não tem como fugir disso. Por isso, tente, insista, prossiga nos seus desejos de conquista. Cause em mim uma boa impressão e lembre-se: não lhe darei uma segunda oportunidade de me causar uma primeira boa impressão.

Empenhe-se por mim, é o que eu peço. Eu valho a pena, preciso do seu ardor e da sua coragem. Não sou tão terrível assim. Quando eu estiver distraído, olhe para mim com amor e não com raiva. Quando eu não quiser rezar na hora em que você pede, tenha compaixão comigo e não me transforme num vilão. Se eu não fiz o trabalho que me pediu, peça de novo, insista. Se não o abracei, abrace-me você. Se meus pais não o procuram para conversar, procure-os. Eu preciso muito de alguém que mostre interesse por mim. Fale de mim aos meus pais. Talvez assim, eles percebam que eu existo.
Eu sou de quem me conquistar.

Não desista de mim. Eu quero tanto aprender um pouco mais daquilo que você se propõe a ensinar. Basta para isso, que você realmente queira me conquistar.”
Assinado:
Um jovem catequizando
( Alberto Meneguzzi )

Advertisements
18 comentários leave one →
  1. Couto permalink
    Junho 1, 2008 17:52

    Acho que deviamos ler este texto duas vezes, reflectirmos pessoalmente, e partilharmos na reunião de avaliação da catequese.
    Fica a dica.

  2. Junho 1, 2008 19:26

    sim nós catequistas temos que apostar nos jovens
    Mas os jovens também tem que apostar e ter confiança nos catequistas,eu acho que nós que acredita-mos em Deus queremos o melhor para todos.

  3. Junho 2, 2008 07:58

    Vou partilhar este texto com os meus colegas catequistas.
    Penso que diz muito sobre a forma como devemos trabalhar as nossas crianças.
    Encontramos muitas dificuldades, é verdade! Mas… há que fazer um esforço para os cativar, para os conquistar! Ainda que seja muito dificil. Pelo menos há que tentar.

  4. Junho 2, 2008 09:59

    Como eu o intendo. Primeiro nós também já tivemos a idade deles; Em segundo é o retrato verdadeiro do que eu me apercebo nos meus jovens. Temos realmente de estar cientes e informados de todas as transformações e inquietudes da fase da adolescência.
    Sem este conhecimento não poderemos ser eficazes na nossa missão. Por vezes, confesso, é complicado. Temos de os fazer amados, dar-lhes confiança e aproveitar ao máximo quando não estão com as ditas “parvoíces”…eles são fantásticos acima de tudo. E fazem coisas fenomenais, se os soubermos levar.

  5. miná ( Famalicão) permalink
    Junho 2, 2008 14:14

    Tal como a Sónia vou partilhar com os meus colegas de grupo este texto, servindo-nos de tema de reflexão, embora estejamos com o grupo da «infância», mas mesmo assim pode-nos ser muito útil.
    «Eu sou de quem me conquistar», diz o adolescente repetidas vezes; eu acrescento, como adulta: também gosto de ser « conquista», pela família, pelos amigos, pela comunidade…É que todos, consciente ou inconscientemente gostamos de ser «conquistados» no nosso dia a dia, pelas coisas mais insignificantes,…, caso contrário caímos fácilmente no desânimo, na apatia, no desencanto da vida…

  6. Mylenna Lirio permalink
    Setembro 1, 2008 01:02

    Na verdade senti uma certa emoção ao ler esta carta. Em 27 de julho terminamos mais uma turma de crisma. De 95 crismandos, 10 propuseram-se a ser catequistas. Hoje, dia do catequista, após ser chamada junto com os outros catequistas ao altar na missa da juventude de minha paroquia, e ser homegeada …agora a tarde recebo esta carta de uma dessas sementes plantadas.
    Gostei muito e acho a mensagem muito pertinente para ser transmitidas aos demais catequistas do grupo em que você participar. Um texto motivacional, que instigará ainda mais os catequistas a amarem o trabalho, e se inspirarem cada vez mais, neste trabalho de juventude evangelizando juventude. Em minha oração, transformo esta carta em uma prece. E termino, pedindo a Deus que nos ilumine nessa trajetoria para sermos sal da terra e luz no mundo.
    PAZ E BEM

    Mylenna S. Lirio
    19 anos
    Catequista de crisma Paróquia Nossa Senhora de Fátima e São Roque
    Sapopemba -Z/L – São Paulo

  7. Setembro 1, 2008 09:35

    Olá Mylenna. Bonito testemunho. Continuação de bom trabalho. Continue a partilhar connosco as vossas experiências.

  8. Setembro 27, 2008 23:10

    oi como vai

  9. valdeci e de souza permalink
    Outubro 27, 2009 19:44

    Essa carta se tornou a resposta do assunto,em que eu e um outro catequista estavamos conversando no dia 25/10/09.Comentavamos sobre a dificuldade e a falta de interesse do jovens desta idade em relaçao a catequese e muitas vezes alguns ja no começo com 9 anos , tem a mesmas atitudes dos que ja tem 11,12,13 anos.E tudo que esta escrito nos da a resposta do assunto comentado.Ralmente o que esta conquistando nossos catequizandos e o que o mundo esta oferecendo a eles , so que tudo isso e passageiro mas a fe , a vida e os ensinamentos de nosso SENHOR Jesus cristo e para a vida toda.Portanto nos como catequistas devemos dobrar nossos joelhos no sacrario e rezarmos muito e pedir discenimento, coragem e nao desistir e comquistar esses jovens para Jesus a frequentarem a igreja e a participar da comunidade transformando tudo o que a de errado em certo construindo o reino de Deus com amor e esperança.A todos a paz de cristo vamos transformar a vida desses jovens para que eles sejam discipulos e missionarios de Nosso SENHOR JESUS CRISTO.

  10. Outubro 27, 2009 20:59

    Todos os catequistas partilham esta inquietação. É verdade que hoje em dia existem muitas outras linguagens, mais eloquentes, menos comprometidas, e por isso, mais atractivas.
    Esse desafio de dobrar os joelhos diante do sacrário é importante. Mas façamo-lo com o Novo Testamento nas mãos. Aprendamos com o Mestre, a sua pedagogia, a sua linguagem, a sua autoridade.
    Façamos isto de mente aberta, para alterarmos comportamentos, moldarmos pensamentos, que até poderão não estar errados, mas podem ser inadequados e inconsequentes. Sejamos audazes como Cristo o foi no seu tempo e para o seu tempo.

  11. Myrla permalink
    Março 19, 2010 21:30

    Ao ler este texto me veio uma grande emoção, eu adorei! espero que continui a produzir textos como esse!!!

    Myrla, 19 de março de 2010
    Catequista

  12. Abril 15, 2010 22:11

    aaammmeeeiii!!!estou doooiiiidddaaaa

  13. Abril 15, 2010 22:16

    aaammmeeeiii!!!quando estou triste e chateado pego se meu irmão ñ estiver mexendo eu entro nesse site e começo a ler essas mensagens maravilhosaaaaaaa!!!!!!!!!!!kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkiiiiiiiiisssssssssss!!!!!!kkkiiisss

  14. Armando Costa permalink
    Abril 19, 2010 10:37

    Esta carta, é uma das razões que naturalmente fazem alguns de nós catequistas perder algumas horas na internet. Procurar algo mais para poder partilhar mas também estar atento ao mundo hiper espacial e dos clamores que dele nos chegam. É preciso estar atento às coisas mais simples que nos rodeiam e responder com humildade e persistência aos conflitos gerados pelas nossas acções, atitudes, desinteresse e indiferença. É preciso ler as entrelinhas desta carta em toda a sua profundidade, uma vez que a mensagem transmitida é tanto provocadora (no bom sentido) como arrasadora, à sociedade incapaz de responder aos apelos constantemente enviados e inseridos na complexidade do entender o ser humano ou no mais simple gesto. A partilha destes apelos e a sua interpretação, são sem dúvida uma mais valia à atitude e desempenho do catequista, não só no exercício dos apelos do catecismo mas tabém na acção pessoal contínua.

  15. Edna Souza permalink
    Julho 2, 2010 19:02

    Já ouvi muitos catequistas se gabarem de que fazem o melhor possível aos seus catequisandos…
    Até eu mesma acreditava que meu trabalho era bom…Estou sempre me atualizando… Procurando inovar e buscando alternativas para tornar minhas catequeses atraentes e de forma que possam contribuir para a formação dos pequenos…
    Mas ao ler esse documento, senti um nó na garaganta….
    E me dei conta que não basta eu transportar o antigo para o novo…è necessário mais…
    Preciso encontrar uma forma de levar o novo até o antigo, quando a criança era tratada como crisnça, com todos os seus mimos, suas mãnhas, e suas dependências…
    Pois, a criança de hoje é tratada como um mini-adulto, onde é capaz de realizar tudo sozinha, inclusive, de gerir seus sentimentos…Auto-suficientes…
    Ledo engano…Na realidade, estão gritando por socorro, pelo amor rejeitado, pelo tempo não dividido com eles, pelas horas que passam sem ter companhia da família, pelo anseio de querer diálogo,por comunicar-se em um mundo que se diz aberto, tecnológico…
    Perdão, minhas crianças! De hoje adiante prestarei mais atenção em vocês!!!

  16. Agosto 22, 2010 17:16

    e muito longo e chato

  17. Agosto 22, 2010 17:18

    To brincando é muiti legal e llllllllllliiiiiiiiiiido aaaaammmmmmmmmeeeeii

  18. Vânia Aparecida Santos permalink
    Agosto 7, 2011 12:05

    Adoreiiiiiiiiiiiiiii
    isso aí precisamos perseverar,com nossos
    catequizandos
    basta amar o que estamos fazendo e com
    certeza não será difícil parabéns.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: